Transporte Coletivo | Número de acidentes tem queda de 46% em Curitiba, segundo prefeitura

Transporte Coletivo | Acidentes tem queda de 46% em Curitiba, segundo prefeitura

Mesmo com o crescimento e a evolução do transporte coletivo, houve uma grande diminuição no número de acidentes em Curitiba.

O número de acidentes envolvendo transporte coletivo teve um decréscimo de 46% em Curitiba desde 2019, segundo a prefeitura. No levantamento da Urbanização de Curitiba (Urbs), ocorreram 834 acidentes envolvendo ônibus de janeiro a setembro de 2021 entre colisões, atropelamentos e quedas de passageiros. No mesmo período de 2019 foram 1.537 acidentes.

Mesmo com a retomada do movimento nas ruas em 2021, provocada pela flexibilização das restrições sanitárias e pelo avanço da vacinação, o número de acidentes está 10% abaixo do registrado no mesmo período de 2020, quando foram apuradas 924 ocorrências de janeiro a setembro.

Com a frota renovada nesta gestão, acidentes no transporte coletivo caíram  46% - Prefeitura de Curitiba

Em todo o transporte coletivo da capital, o número de colisões envolvendo ônibus diminuiu de 1.197 para 681, total de 43%, e o de atropelamentos reduziu de 90 para 47, total de 47%. O número de quedas de passageiros foi de 187 para 91, 51% menor.

Também houve diminuição de outros acidentes, como situações em que o ônibus colide com grade de terminal, atropelamento de animais e quebra de vidros devido a galhos e fios baixos. Essas ocorrências tiveram redução de 76%, de 63 para 15.

Novas tecnologias aumentaram a segurança e diminuíram as ocorrências no transporte coletivo

Novas tecnologias, renovação da frota do transporte coletivo, treinamento de motoristas e aperfeiçoamento dos serviços de manutenção dos veículos ajudam a explicar a diminuição nos acidentes, na avaliação do presidente da Urbs, Ogeny Pedro Maia Neto.

Sindicato das empresas de ônibus de Curitiba (PR) contabiliza 21 mortes de  trabalhadores por covid-19 e rodoviários afirmam que número chega a 100

Os carros têm novas tecnologias de segurança, já que garantem a redução mecânica da velocidade dos biarticulados nas canaletas quando perto de locais com grande fluxo, igual shoppings, praças e escolas. Os carros novos também possuem sistema de frenagem mais eficientes.

Além disso, para maior segurança dos passageiros, os 535 ônibus possuem dispositivos para evitar a aceleração com as portas abertas e também para impedir que estas sejam abertas com o veículo em movimento.

Os carros articulados e biarticulados possuem sistema de vigilância exclusivamente dedicadas à orientação do motorista para o acoplamento na estação-tubo e também ao desembarque de passageiros no caso daqueles veículos com acesso por escadas, como os da linha Interbairros II.

Redução de 41% em acidentes envolvendo canaletas

As novas tecnologias têm ajudado a reduzir os acidentes nas canaletas dos expressos – onde circulam os biarticulados e articulados. O número de acidentes nos corredores exclusivos caíram 41%, passando de 384 para 225 na comparação entre janeiro e setembro de 2019 e o mesmo período de 2021.

25 novos ônibus Volvo B340M Gran Artic passam a integrar a frota de  Curitiba - Blog do Caminhoneiro

Embora as evoluções, a contribuição das pessoas também é crucial para a queda nos índices de acidentes envolvendo ônibus na Capital – principalmente a conscientização para evitar atos de risco, como o uso de canaletas dos expressos por ciclistas e pedestres.

Com as vantagens técnicas envolvendo veículos com novas tecnologias que possibilitam a melhor performance na estrada, é de extrema importância que os motoristas sigam a lei para a melhor organização no trânsito e consequentemente diminuam os índices de acidentes por conta de imprudência no volante.

O acesso de pedestres e ciclistas nas canaletas é proibida. As canaletas são de uso exclusivo para transporte coletivo e para veículos de pronto-atendimento em emergência e de segurança pública, mas ciclistas continuam insistindo em usar a canaleta na cidade.

Agentes de trânsito e guardas municipais desenvolvem ações educativas, de forma periódica, para alertar motoristas sobre o respeito a ciclistas e, também, atividades específicas com ciclistas sobre condutas perigosas.

Maiara

Maiara

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *