Infraestrutura de transporte | Santa Catarina precisa arrecadar R$18,5 bilhões

Infraestrutura de transporte | Santa Catarina precisa arrecadar R$18,5 bilhões

Entre os anos de 2022 e 2025 o estado de Santa Catarina terá que arrecadar cerca de 18,5 bilhões de reais para infraestrutura de transporte ferroviário. Nesta segunda-feira, 06 de dezembro, a Fiesc (Federação das Indústrias) organizou uma Agenda Estratégica para a Infraestrutura de Transporte e a Logística Catarinense 2022, tendo como foco especial o setor ferroviário.

O principal ponto que será levantado nesta segunda-feira no lançamento dessa Agenda Estratégica é: “Existe um planejamento da logística catarinense para curto, médio e longo prazo?”

Uma história que impulsiona o desenvolvimento da região Sul de Santa Catarina

Investimento em infraestrutura de transporte ferroviário

Segundo informações passadas em primeira mão pelo blog, o custo necessário para investimentos estratégicos em infraestrutura de transporte do Estado de Santa Catarina, entre 2022 e 2025, soma R$ 18,5 bilhões, aproximadamente R$4,63 bilhões por ano.

A maior parte deste valor (R$ 14,4 bilhões) é para o modal rodoviário. Porém, também existe uma atenção especial para o modal ferroviário (R$928,7 milhões)

Um dos pontos abordados, nesta Agenda Estratégica, pelo presidente da Fiesc, Mario Cezar de Aguiar, será a retomada dos projetos ferroviários catarinenses, ajustados e com conceito de integração.

MRS se dispõe a dialogar com a CPTM sobre extensão do trem até César de Souza - Revista Ferroviária

Governo entrega menos de 40% do valor prometido em 2021

Outro grande desafio é a falta de recursos do Governo Federal. Entre janeiro e novembro de 2021, Brasília entregou menos de 40% do valor prometido a Santa Catarina neste ano, isso considerando o Orçamento Geral da União, o PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), e o PIL(Programa de Investimento em Logística). De acordo com a Fiesc, dos R$493 milhões foram investidos somente R$191,8 milhões.

Por esse motivo, um dos recursos utilizados, é a busca por investimentos privados, avançando assim os processos de desestatização, como dos portos de Itajaí, Imbituba e São Francisco do Sul e do aeroporto de Jaguaruna. Outra ação importante é a participação da sociedade na campanha “BRs-SC não pode parar”, uma parceria da Fiesc com o Grupo ND.

blogdotransporte

blogdotransporte

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *